terça-feira, 4 de maio de 2010

O Segredo do Futebol Brasileiro - Parte 1 - Velho Mundo

Já estou em clima de Copa do Mundo, angustiadíssimo, porque vamos ganhar essa Copa, não tenho dúvida, o que me faz feliz, mas também me preocupa porque o Dunga é péssimo técnico e a vitória dele vai "comprovar" que "qualquer um" pode ser "Técnico da Seleção". Áh, eu não sei ser feliz!

Mas, e o nosso futebol? O que faz o nosso futebol diferente? O Futebol Europeu é bom? A arte morreu sob os pés da retranca? Porque temos tantos bons jogadores? Estive a refletir sobre essas questões. Vou começar pelo Futebol Europeu.

Penso que o futebol europeu é tosco. Raros times são dignos da fama que possuem.

O Futebol Italiano é uma lástima retranqueira. Jogo feio é especialidade da velha bota. Em compensação quem é artilheiro na Itália com muitos gols tem de ser louvado. Não é fácil fazer gol na Liga Italiana. Lá é terra de zagueiros, de botinudos e de volantes.

O Campeonato Espanhol é o aveso. Terra de atacantes e meias, de laterais ofensivos e de goleadas sonoras. É bonito de se ver, mas é frágil como um castelinho de cartas. Os espanhóis não gostam muito de zagueiros e volantes, e ser um bom defensor nessa parte da ibéria é um desafio. Não há cobertura e os contra-ataques correm soltos.

O Campeonato Francês é uma espécie de campeonato juvenil. Tem bons jogadores, tem alguma disputa, é relativamente agradável de ver, mas é nivelado por baixo. Os "78" títulos consecutivos do Lyon demonstram que basta ter uma pouco de qualidade para desorganizar o alardeado equilíbrio da França.

O Campeonato Alemão é disputado, duro e até empolgante, em alguns momentos. Tem qualidade, mas sofre com uma perspectiva cultural de resultado que o deixa asséptico na maioria das vezes. Não é terra para craques. É repleta de equipes com vontade, gana, mas sem beleza. Um bom jogador na Alemanha fica limitado as necessidades táticas. É terra de Técnicos.

O Campeonato Português é uma espécie de segundona ou terceirona em uns anos. É divertido, ou quase. Raríssimo encontrar algo revelador, inovador no campeonato. Disputa com o campeonato francês sobre quem é o juvenil ou o "juvenil cocô" da Europa.

O Campeonato Inglês... esse merece referência. É rápido e o considero dos mais competitivos. Apesar de ter um estilo que não me agrada, o Campeonato Inglês é o melhor da Europa porque ataca e defende como cultura geral dos clubes. O ponto negativo é o excesso de jogo aéreo. É terra de combate.

Os demais são tudo café "com leite".
Mas ainda tem outra coisa importante nos moldes europeus de competição para pensar o nosso futebol... mas isso eu falo amanhã, na parte 2.

5 comentários:

Borboletas nos Olhos disse...

Lê isso aqui, lê, lê...http://colunistas.ig.com.br/flaviogomes/2010/05/03/126775/

Contra a Maré disse...

Lu, eu não tenho como concordar mais com ele do que já concordo... mas tu estragou o meu post de amanhã... ia falar quase a mesma coisa... ferrou a parte 2 kkkkkk

Contra a Maré disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Borboletas nos Olhos disse...

desculpa aí, mas não deixa de fazer um post não...

Juliano Gadêlha disse...

O panorama do futebol europeu é mais ou menos esse aí mesmo. Ainda prefiro assistir o campeonato espanhol, pois melhor pecar pelo excesso de gols do que pela falta deles, como no italiano. No francês, a hegemonia do Lyon acabou e o campeonato tem sido bem mais emocionante nas duas últimas temporadas, mas ainda faltam atrativos. Tanto é que o francês tem as narrações mais chatas do futebol mundial. O alemão possui times muito competitivos, mas a mracação prevalece sobre o futebol-arte. O português, só um viciado em futebol pra acompanhar algo além dos clássicos entre Porto, Benfica e Sporting. O resto, nada que valha nota.